Meu "Sentir" tem cor e cheiro. Bebo vinho... Meus versos vivem...Tenho ilusões que respiram... E minhas linhas são veias! Derramo sensações e devaneios. Me ajusto e me asseguro no exagero.Vivo de tudo que é Vermelho!

domingo, 25 de dezembro de 2011

23 de Dezembro...



Ela subiu pela última vez aquela escada
E enquanto olhava para o alto daqueles degraus
Sentia seus sonhos em silêncio...
O que havia acontecido?
Perguntava seu coração acelerado
Éramos felizes aqui...
Vamos embora mesmo?
E ela... com o choro entalado na garganta
Tentou ser forte mais essa vez
A chuva ameaçava cair
O céu vestiu-se de cinza
Nem um pouco... aconchegante.
E o vento queria dizer algo:
Hora de ir! Hora de ir!
Então... Com punhos de aço para não vacilar...
Ela esvaziou o armário
Uma escova de dente e uma pasta dental vencida
Pronto! Só isso!
Respirou fundo...
Faltava ar em seus pulmões
No espelho... Olhos Vermelhos
E a promessa de não chorar?
Quebrada ao meio...
Meio choro... meio sorriso
Meio desespero...
De quem procura força para continuar
No caminho de volta
Ela contabilizava ganhos e perdas
Expectativas e frustrações
Entrando em casa...
Desejou que aquele dia terminasse logo
Decidiu tomar um banho quente
Lavou os cabelos como quem precisa lavar a alma
Indo dormir a saudade já fazia sinais
De tudo...
Ainda ficou um amor para recordar
E promessa de flores...
Soltas no ar.

Um comentário:

Solange disse...

eu preciso seguir tuas palavras...
pra ser feliz..

bjs.Sol