Meu "Sentir" tem cor e cheiro. Bebo vinho... Meus versos vivem...Tenho ilusões que respiram... E minhas linhas são veias! Derramo sensações e devaneios. Me ajusto e me asseguro no exagero.Vivo de tudo que é Vermelho!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Hilda Hilst



Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.

Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel

Não saber se... se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.


3 comentários:

Marly Bastos disse...

São tantos "quereres" dentro da gente, que as vezes dói. Ser ou não ser, eis a questão né? E entre dúvidas e vontades, nos perdemos dentro de nós.
Beijokas doces e obrigada pela visita e comentário. Sigo-te também.

ઇઉ Amanda Nárgela ઇઉ disse...

aflição...palavra que me descreve...achio que sou uma mulher/garota constantimente aflita,apesar de bem humorada bjks

Sonhadora disse...

Minha querida

Adoro a poesia de Hilda Hilst, e este poema é profundo.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora