Meu "Sentir" tem cor e cheiro. Bebo vinho... Meus versos vivem...Tenho ilusões que respiram... E minhas linhas são veias! Derramo sensações e devaneios. Me ajusto e me asseguro no exagero.Vivo de tudo que é Vermelho!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Remanescer...


Da euforia... ao caos!
Do encantamento... a frustração!
Quando o mel se torna sal...
Quando os dias invertem as horas
E o mundo gira ao contrário e sem controle
Da ilusão... a desesperança
Da presença... ao abandono, sua falta... solidão!
Das cores e brilhos
Ao cinza das tardes dentro de mim
Das flores que nascem
E a chuva que cava a terra
Do céu azul...
Palavras e sonhos jogados num vendaval
Tempestade anunciada!
Da vida... a morte moral
Do que implora a carne
Do que necessita a essência
Hoje...
Eu sigo sem você!

3 comentários:

Jão disse...

As pessoas se amam
decepcionam-se
por vezes voltam a se amar
outras não

é lei da vida!


Beijos querida!

Solange disse...

poema que fala comigo..

bjs.Sol

Cecília disse...

Gosto da sinceridade e da simplicidade das suas palavras. Elas me tomaram de chofre e me emocionaram muito... Lindissimo, Sil!