Meu "Sentir" tem cor e cheiro. Bebo vinho... Meus versos vivem...Tenho ilusões que respiram... E minhas linhas são veias! Derramo sensações e devaneios. Me ajusto e me asseguro no exagero.Vivo de tudo que é Vermelho!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Dos tempos sem ti...



Deito-me...
Em nossa cama
Sob o som de tuas asas...
E na imensidão do teu mar
Blues...
Meu vermelho se desmancha
Nossas cores se misturam
E brilham! 
Agora... Somos um!
Em apelos... eu te beijo
Te arranco os cílios
E da tua barba... alguns pelos
Deito-me...
Em nossa antiga cama
Sob o som dos teus gestos
Mudos...
E eu imploro
Que essas emoções morram
Que se vão...
Porque na tua ausência
Não há mais razão para ficar aqui
Não há mais razão...
Para que eu me deite

5 comentários:

Kafé Universitário disse...

Olá querida Sil...

O problema é quando não conseguimos esquecer mesmo quando não há mais razão para lembrar...

Adoro este seu vermelho....

Beijos

Patrícia

Jão disse...

Esquecer é a parte mais difícil. Quando a intensidade fica marcado pra sempre.


Beijos querida,

PS. vamos marcar alguma coisa pro final de semana.

Felipe Faverani disse...

Oi, Sil! Que saudades!

Bom, primeiro queria dizer que pode sim pegar a frase que gostou no poema para colocar no seu blog. Será uma honra!
Segundo, gostaria de te agradecer pelas palavras sempre tão carinhosas, viu? Sinto muita falta de poder retribuí-las como antes!
Obrigado por, ainda que eu esteja ausente, ir ao meu blog me confortar com o que diz!

Grande beijo pra você!
Ótima quarta-feira!

A.S. disse...

Ah!... quanto arrebatamento em tuas palavras!...

Beijos e saudades!...
AL

Solange disse...

impossível esquecer..

bjs.Sol